Insônia: descubra os efeitos da exposição excessiva a tela azul dos eletrônicos

Estudos mostram que a exposição excessiva a tela azul dos aparelhos eletrônicos podem trazer riscos a saúde a longo prazo, estes diretamente ligados a diminuição da qualidade do sono.

Gabriela Giralt
Gabriela Giralt
3 de março de 2021
Exposição excessiva às telas dos eletrônicos pode causar insônia

Usar o celular à noite, principalmente antes de dormir, virou um hábito comum nos dias atuais, mas que, a longo prazo, pode ser um preço alto à nossa saúde. Embora seja ecologicamente correta, pesquisadores concluem que a luz azul pode afetar seu sono e potencialmente causar doenças. À noite, a luz desequilibra o relógio biológico do corpo - o ritmo circadiano. Isso pode contribuir para a causa do câncer, diabetes, doenças cardíacas e obesidade.

Isso acontece porque a luz emitida pelos aparelhos eletrônicos é azul, o que estimula o cérebro a permanecer mais tempo ativo, afastando o sono e desregulando o ciclo biológico de sono-vigília.

Mas não é só o celular que emite a luz azulada que prejudica o sono, qualquer tela eletrônica tem esse mesmo efeito, como a TV, o tablet, o computador, e até mesmo as luzes fluorescentes que não são adequadas para dentro de casa.

Lembrete de Remédios e Diário de Saúde

Escolha a versão dark mode do MyTherapy

  • Reduz dores de cabeça e enxaquecas induzidas por sensibilidade à luz
  • Melhora a visibilidade para usuários com baixa visão
  • iPhone
    Android

    Download now

    Download now

    De acordo com um estudo publicado pela LiveScience, ficou provado que atualmente dormimos 2 horas a menos em comparação a 40 anos atrás. Da mesma forma, a população que mais está sofrendo essas mudanças são as crianças e os adolescentes, o que pode contruibuir para um quadro precoce de insônia crônica, como também efeitos a nível comportamental, motivacional e no rendimento escolar.

    Luz azul x qualidade do sono

    Conforme materia divulgada pela Universidade de Harvard, as ondas de luz azul podem ser benéficas durante o dia porque aumentam a atenção, tempo de reação e o humor, mas parecem ser mais prejudicais à noite. O aumento da exposição aos eletrônicos com telas, bem como iluminação com eficiência energética, faz com que o contato com a luz azul seja ainda maior após o pôr do sol.

    Enquanto qualquer tipo de luz pode diminuir o nível de melatonina, a luz azul à noite faz isso com mais força. Pesquisadores de Harvard conduziram um experimento comparando os efeitos de 6,5 horas de exposição à luz azul com a exposição à luz verde. A luz azul suprimiu a melatonina duas vezes mais que a luz verde, assim como os ritmos circadianos.

    Ainda conforme a matéria, a Universidade de Toronto também divulgou um estudo comparando os níveis de melatonina de pessoas expostas à luz azul enquanto usavam óculos de bloqueio com pessoas expostas à luz fraca normal sem usar óculos. O fato de os níveis do hormônio serem quase os mesmos nos dois grupos reforça a hipótese de que a luz azul é um potente supressor de melatonina.

    Em pesquisa realizada pela Universidade de Haifa, em Israel, divulgada pela BBC Brasil, foi feito um comparativo entre os dois tipos de luminosidade: com filtros que bloqueavam a luz azul e com a luz vermelha. Como resultado, foi concluido que a luz branca azulada emitida pelas telas de dispositivos eletrônicos prejudica a duração e, principalmente, a qualidade de sono, danificando os ciclos do corpo, ao contrário da luz branca avermelhada que não causa interferência no organismo.

    Riscos para saúde

    O principal risco da exposição excessiva aos eletrônicos antes de dormir está relacionado a insônia e perda da qualidade do sono. A longo prazo pode resultar em um maior risco de desenvolver problemas de saúde, como:

    • Diabetes;
    • Obesidade;
    • Depressão;
    • Doenças cardiovasculares, como pressão alta ou arritmia.

    Além destes riscos, este tipo de luz também causa maior cansaço nos olhos, uma vez que a luz azul é mais difícil de focar e, por isso, os olhos precisam estar constantemente se adaptando. A pele também é afetada por esta luz, que contribui para o envelhecimento cutâneo e aparecimento de manchas.

    Para evitar os riscos da luz azul, é recomendado ter alguns cuidados como:

    • Instalar aplicativos no celular que permitem que a luminosidade seja alterada do azul para o amarelo ou alaranjado;
    • Evitar o uso de aparelhos eletrônicos até 2 ou 3 horas antes de dormir;
    • Preferir luzes amarelas quentes ou avermelhadas para iluminar a casa durante a noite;
    • Utilizar óculos que bloqueiam a luz azul;
    • Colocar um protetor de tela que proteja da luz azul;
    • Usar proteção no rosto que proteja da luz azul, e que tenha antioxidantes na composição, que neutralizam os radicais livres.

    Especialistas alertam e recomendam que a melhor forma de previnir os riscos causados pela luz azul é reduzir a utilização diária dos dispositivos eletônicos.

    Outros artigos de MyTherapy:

    lembrete de medicamentos e diário de saúde mytherapy

    O complemento perfeito para viver com tranquilidade

    O MyTherapy proporciona a você a tranquilidade que necessita na sua vida, ajudando a cumprir corretamente o seu tratamento médico. Desta maneira, você poderá disfrutar do mais importante da vida, sem necessidade de se preocupar se tomou a sua medicação corretamente ou não.